Má Circulação e Doença Venosa Crónica | Farmácia Rodrigues Rocha

A Doença Venosa Crónica (DVC) afeta cerca de 35% dos adultos portugueses, dos quais 2 milhões são mulheres com idade acima dos 30 anos.

Esta doença manifesta-se nas veias das pernas que transportam o sangue de volta ao coração, em sentido ascendente: quando estão doentes, o sangue fica acumulado e causa inflamação venosa, com os sintomas associados - dor, sensação de pernas pesadas, varizes e em casos mais graves, úlcera venosa.

Causas da DVC

As causas da má circulação e consequente doença venosa são várias.
Temos as que não são alteráveis:
- a idade
- ser mulher
- predisposição genética.
E as que podemos modificar:
- gravidez
- uso de contraceção oral
- excesso de peso.

Fatores de Risco DVC

Para além das causas, temos ainda de atentar aos fatores de risco para desenvolver esta doença, muitos dos quais são modificáveis pois relacionam-se com o estilo de vida.
São então:
- Sedentarismo
- Fumar
- Prisão de Ventre
- Passar muito tempo em pé ou sentado
- Usar roupa apertada
- Exposição a fontes de calor (banho muito quente, saunas, etc)
- Usar sapatos de salto alto ou salto raso. Deve optar por saltos de 4 cm.

Sinais e sintomas

Podemos e devemos estar atentos a sinais e sintomas que se manifestem:
- telangiectasias (pequenos derrames)
- varizes
- edema nos tornozelos
- alterações na coloração da pele
- sensação de pernas pesadas/cansadas
- dor e/ou comichão nas pernas
- dormência e formigueiro
- cãibras noturnas.
Se tem um ou mais dos itens desta lista, está na altura de reforçar a prevenção.

Prevenção

Há várias coisas que pode fazer para prevenir a doença venosa, entre as quais:
- Parar de fumar
- Aumentar a ingestão de fibras para melhorar o trânsito intestinal
- Manter um peso saudável
- Praticar exercício físico (bicicleta, caminhada, dança)
- Evitar estar muito tempo de pé ou sentado
- Usar calçado com saltos entre 3 e 4 cm de altura.
Pode ainda usar meias de descanso, aplicar geles e/ou tomar suplementos que melhoram o retorno venoso.

Quando os sintomas se intensificam, e para um acompanhamento adequado ao seu caso, deverá recorrer ao médico. Só ele poderá determinar em que estado de evolução se encontra a doença venosa e indicar o melhor tratamento para si.
Deve manter uma vigilância regular, pois a doença venosa é evolutiva e precisa de cuidados continuados.

Faça o teste no site da Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular: http://www.alertadoencavenosa.pt/quizz e saiba o seu nível de risco para ter Doença Venosa Crónica.